A COMPANHIA  

A LFA, Lafontana - Formas Animadas é uma companhia de teatro vilacondense que se dedica à criação e apresentação de espetáculos com formas animadas (marionetas, máscaras, teatro de sombras, etc.), realizando também ações de formação e investigação dentro desta área. 

Sediada no Centro Municipal de Juventude, esta estrutura artística conta com a parceria e o apoio da Câmara Municipal de Vila do Conde. Atualmente, beneficia ainda do apoio da DGartes - Secretaria de Estado da Cultura, Governo de Portugal.

A principal característica de diferenciação e identidade deste projeto reside no reconhecimento e exploração das técnicas tradicionais do Teatro de Formas Animadas, assim como no estudo e compreensão da sua natureza essencial e na procura dos caminhos para a sua evolução.

Simultaneamente, pretende aliar, aos princípios ancestrais da arte da marioneta, os elementos contemporâneos, nomeadamente os recursos tecnológicos e materiais atuais, contribuindo assim para aumentar a eficácia dos sistemas tradicionais. 

A companhia começou pelo estabelecimento duma ponte valorizadora entre arte e ciência. Os conteúdos multimédia, por exemplo, associados ao computador e ao sistema de monitorização de imagem, som e luz, em tempo real, possibilitam a interação de recursos teatrais e digitais, numa excelente gestão de tempos e ações durante o espetáculo. 

Corroborando esta opção multidisciplinar, estabeleceram-se parcerias com o ensino superior, museus, centros de investigação e formação profissional.  

Arte e tecnologia, sendo conceitos indissociáveis, não devem ser antagónicos. Os espetáculos criados pela companhia, as ações de formação, investigação e publicação, pautam-se por uma atitude aberta e dinâmica em relação às técnicas tradicionais do teatro de marionetas, explorando caminhos que viabilizam a sua evolução. A tradição alimenta a modernidade no trabalho da Lafontana, na medida em que a própria inovação pode igualmente influenciar a tradição. Desta simbiose resultam criações performativas, vivas e atuais, onde é patente a influência do mundo que as rodeia e sobre o qual elas projetam reciprocamente as impressões recebidas.

ORIGENS

Na origem deste projeto esteve o curso TFA - Teatro de Formas Animadas, a primeira formação profissional para marionetistas realizada em Portugal. O curso funcionou entre 1998 e 2001, criado e organizado pelo ator e marionetista Marcelo Lafontana, com a colaboração da autarquia de Vila do Conde, obtendo creditação oficial de nível IV da parte do Instituto de Emprego e Formação Profissional (Ministério do Trabalho).

Em 2002, a companhia foi reconhecida, pela UNIMA (Union Internationale de la Marionnette), como representante nacional na área da formação profissional.

Presente em diversos festivais e encontros, de carácter nacional e internacional, o curso TFA  recebeu também em 2001 o 1º prémio (Revelação) do júri internacional no Festival Découvertes – Images et Marionnettes – Tournai, Bélgica.

Após três anos de formação, o TFA define-se como companhia teatral estável, com sede permanente em Vila do Conde, representada desde então pela empresa Lafontana - Produções Artísticas.

INVESTIGAÇÃO

Uma atividade contínua de investigação na área do teatro de marionetas é desenvolvida pela LFA, no âmbito da criação dos espetáculos, e das acções de formação.

Visando a recuperação de práticas tradicionais do Teatro de Formas Animadas, realizou-se também a evolução destas técnicas, pela via da introdução de materiais alternativos, exploração de novas tecnologias e conteúdos dramatúrgicos.

Para estas ações, já estabelecemos relações académicas com a Universidade de Évora, a ESAP - Escola Superior Artística do Porto, o Instituto Politécnico do Porto e a Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto.

Em 2014, o processo de investigação artístico e tecnológico da companhia foi galardoado com uma Menção Especial do júri do “AVANCA|CINEMA 2014 – Conferência Internacional Cinema – Arte, Tecnologia, Comunicação”.

FORMAÇÃO

Nos últimos anos, a LFA tem investido na formação de várias técnicas de formas animadas, nomeadamente o fantoche, o marote, o teatro de papel, o teatro de sombras e a marioneta de fios.

No universo das formas animadas, a técnica de utilização de fios para manipulação de uma marioneta é um recurso que ocorre em diversas culturas, assumindo manifestações várias e níveis distintos de complexidade. Desde 2005, a LFA juntamente com o CEARTE - Centro de Formação Profissional do Artesanato, tem promovido uma série de ações de formação nesta área.

FIGURAÇÃO

Além das criações teatrais, a LFA também cria e constrói elementos plásticos para interiores, como museus, galerias de arte, etc. e exteriores, como praças, jardins, átrios, etc. Figuras de grande dimensão, vocacionadas para a realização de animações, espectáculos ou simplesmente para serem instaladas em espaços destinados à realização de eventos especiais.

A equipa de colaboradores do Teatro de Formas Animadas é constituída por elementos com experiência nas diferentes técnicas de construção exigidas por este tipo de trabalhos. 

Entre as principais actividades que desenvolvemos na nossa oficina de construção, citamos a elaboração de esculturas humanas, representando figuras e cenas históricas, concebidas, especialmente, para museus e exposições itinerantes.

Atendendo ao seu precioso realismo, estes bonecos são inteiramente produzidos de acordo com as indicações transmitidas, respeitando a diversidade de fisionomias, posturas, adereços e figurinos.

Trabalhos deste tipo, produzidos nas oficinas da LFA, estão patentes, no Museu da Alfândega Régia e na réplica da Nau Quinhentista, em Vila do Conde e no no Museu Municipal de Setúbal.