%>

APOLOGIA DE SÓCRATES

 Sócrates, filósofo grego, filho de um escultor e de uma parteira, nasceu em Atenas, no ano de 470 a.C. e morreu em 399 a.C. Foi de sua mãe, dizia ele, que herdou a arte de dar à luz, não os corpos, mas os espíritos - a maiêutica. Maiêutica, na filosofia socrática, é a arte de provocar as ideias, de fazer com que o interlocutor descubra as verdades que nele próprio já existem. Em pedagogia, a maiêutica toma o nome de forma socrática ou método socrático. A “Apologia de Sócrates” e o “Banquete”, de Platão, e alguns diálogos reproduzidos por Xenofonte são excelentes exemplos de maiêutica. Os antigos sábios, dos quais Sócrates é o modelo, viviam praticamente como santos sem esperar muito dos deuses.

Da vida de Sócrates, sabe-se que participou como soldado nalgumas campanhas, entre as quais a expedição de Potideu. Durante o governo dos Trinta Tiranos, que os espartanos impuseram a Atenas após a vitória na guerra do Peloponeso, Sócrates terá recusado prender um democrata, Leão de Salamina. O filósofo casou com Xantipa, mas a sua vida familiar e os filhos tiveram para ele menos importância que a educação filosófica dos jovens atenienses. Passou a maior parte do seu tempo a discutir nas ruas, nos ginásios e nos banquetes, despertando a simpatia de muitos, mas também a grande hostilidade de alguns.

Sócrates acabaria por ser condenado à morte, acusado de renegar os deuses da cidade e de corromper a juventude. Nas suas apologias de Sócrates, Xenofonte e Platão, seus antigos discípulos, tentam desculpá-lo e apresentam-no como um cidadão honesto e crente. Foram sobretudo os diálogos platónicos que contribuíram para fazer de Sócrates um mestre do pensamento, o pai da filosofia, capaz de despertar os espíritos e a reflexão graças à sua ironia e à sua maiêutica, à sua arte do diálogo. O essencial desta filosofia assenta na sua fé na razão humana, através da qual o homem pode atingir o conhecimento de si próprio e a felicidade: Conhece-te a ti próprio! 

Ficha técnica e artística

Texto original: Platão

Interpretação/encenação: Marcelo Lafontana

Assistente de encenação: Fátima Pereira

Dramaturgia: José Coutinhas

Dir. Musical: Eduardo Patriarca

Máscara: Marta Silva

Fig. e cenografia: Sílvia Fagundes

Dir. Técnica: Pedro Cardoso

Sistema Multimédia: Luís Grifu

Fotografia: J.Pedro Martins

Voz-off: João Pedro Azul

M12

Dur. 1h 

 

Condições técnicas

Este espetáculo foi construído a pensar no transporte e digressão, sendo auto-suficiente em questões técnicas de maquinaria, luz, som e vídeo.

Espaço

Pode ser apresentado em ginásios, auditórios, salões amplos, escolas e em espaços ao ar livre com:

6m largura mínima

6m profundidade mínima

3m altura mínima


Corrente eléctrica

1 ponto de energia com 220V / 16A (estável)

 

Montagem

Tempo de montagem: 2 horas

Tempo de desmontagem: 2 horas

É necessário apoio local para carga e descarga do material (mínimo 2 pessoas) e de um técnico local (familiarizado com o sistema eléctrico da sala)